O assento

Forma é conteúdo. A maneira como se fala uma determinada coisa define a reação de quem ouve, até mais do que o significado do que é dito.

- O assento de sua poltrona é flutuante. Em caso de pouso na água, retire-o e leve-o para fora da aeronave.

A doçura com que a comissária de bordo anuncia essa probabilidade terrivelmente ameaçadora, que todo mundo sabe que pode acontecer e que o fato de o assento ser flutuante ou pesado como uma âncora não faz muita diferença, faz toda a diferença. Ela fala como se estivessem contando uma historinha para dormirmos em paz, quando o natural, pelo que é dito, seria termos insônia ou pesadelos horríveis. Eleva a altas potências o adequadíssimo termo "flutuante". Você se sente como quem vai realmente flutuar. Cadáveres bóiam. Você flutua. E com aquela interpretação, dá pra imaginar a aeronave pousando como um aviãozinho de papel no mar tranquilo, sob um lindo céu azul. Eu, junto com mais de cem passageiros, nos espreguiçamos, sonolentos como quem tira uma soneca na rede, vestimos nossas sungas e biquínis, passamos bronzeador e colocamos sob o braço nossos assentos flutuantes. Uns correm olimpicamente sobre as asas e se jogam fazendo acrobacias no ar, outros saltam direto para a água e nadam como surfistas em busca da melhor onda. Ou alguém imagina que, com aquela delicadeza toda, algo diferente possa acontecer?


Se os passageiros não entram em pânico antes da decolagem não é por se sentirem seguros com os equipamentos da aeronave. Forma é conteúdo. O mérito é da entonação da comissária de bordo.

Nenhum comentário: