Mais respeito

Por que algumas coisas do passado provocam tanto riso quando falamos delas nos momentos de nostalgia? Lembra do DKV? Kkkkkkkk! E do kichute? Kkkkkkk. Camisa volta ao mundo Kkkkkkkk galocha kkkkkkk e lágrimas nos olhos.
Um amigo tem uma teoria. O riso é um alerta do presente. Não está satisfeito? Quer voltar, é? Vai ter que jogar com kichute!
Não sei. Ainda não entendo o motivo da graça.
Imagine o lançamento do DKV. Um pano vermelho é retirado de cima do carro, revelando a novidade. E toda a platéia: Kkkkkkkkkk! Absurdo. O DKV, o kichute, a galocha e até a camisa volta ao mundo foram coisas sérias, gente! (Se rir, dou porrada). Ou você se imagina às gargalhadas, no futuro, ao lembrar do Kia Soul?
Lembra do iPad, aquele trambolho? Você se imagina dizendo isso? Mas dirá.
Não quero ser desmancha prazer e deixar todo mundo sisudo. Mas o surgimento de uma novidade necessariamente não deveria colocar o que passou no plano do ridículo.
Não. Nem a camisa volta ao mundo.